quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Mais um longa metragem argentino.


Parecia um filme argentino com uma trilha sonora do caralho. Eram episódios que começaram a ser escrito alguns anos atrás. Foram encontros e desencontros. Foram doses e mais doses. Foi eu aqui e você lá. Foi sempre assim, talvez sempre será.
Nosso amor se perdeu, se é que um dia se encontrou.
Se perdeu até entrar em extinção.
Me lembro como se fosse agora a sensação de ouvir o eu te amo.
No chão na porta de um bar, tarde da noite, esperando o ônibus passar. 
Não tinha certeza se era você ou a vodika a falar.
Mais saiu.
Seguido de um beijo.
Seguido de um medo.
Dai começou a trama.
O drama.
Nada mudou e tudo ficou diferente.
Minha acomodação me fez refém.
E tudo que eu queria era justificar esse desdém.
Era te falar que você  não me via mas estava ali.
Tornou algo secreto. Um vicio sigiloso. Com dia e hora marcado.
Tornou-se encontros escondidos, verdades ditas em meio as bebidas.
Tornou o que estamos vivendo hoje.
Tornou-se nada. 

Autoria: Simone Cajá
"Pode copiar, mas dê créditos por favor.".